...

...

sexta-feira, 13 de maio de 2011

|as|severa

É cruel querer-te mais que nas palavras. Desejar-te mais viva no sangue, em todo o cerco à vida. Luz no meu corpo, ao querer-te assim, não chega apenas sonhar-te. O desejo é um brinquedo, perigosamente desprovido dessas, as palavras surdas ao ouvido. É cruel sentir-te tão fundo, tanto de mim esvaído por ti, na pele perfumada desse teu jeito tão... cruel.



É cruel fazer-te à distância de uma vida. Ou duas. A tua e a minha. É cruel saber-te. Desnudar-te. Decompor-te em cada linha das minhas mãos. É cruel tocar-te, e tanto que dói, sentir-te. Sem uma razão para sorrir, sofrer-te é bem melhor que outra condição. Condeno-te. Cruel é deitar-me no teu ventre, ouvir-te na voz de quem clama pelo silêncio.



E nada mais existe senão as tuas sedas, glosar aos teu lábios como são os meus. Um pequeno apontamento da dor, é colar-te a mim, de cada vez que me infliges mais esta dor. É cruel recordar-te, e sempre presente, dentro desta pele. Nas entranhas te sinto, ao arrepio de saber quando chegas e me tomas. De uma só vez. Crueldade de não me seres estranha. Não mais.

7 comentários:

Corina de Oliveira disse...

O meu reino da noite gostaria de te oferecer um selo especial, para o teu blog, alusivo ao Dia Mundial do Enfermeiro! :)

Podes copiar o selo AQUI.

Muitos beijinhos *

Autora de Sonhos disse...

Um post tão mas tão delicioso!

S* disse...

É cruel esperar por quem não vem ou por quem não podemos ter.

farfalla disse...

sabe a pouco o que sabemos dos sentidos que nos tocam :) severos

MissBlueBuble disse...

Saudades destes teus sentimentos que te saem da ponta dos dedos e do coração!
Muito bom Lampâda! :)

A Minha Essência disse...

Soube-me pela vida este texto! :)

Beijo na alma

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Excelente texto... :)