...

...

terça-feira, 16 de setembro de 2008

N'o lugar do morto

Tudo melhora agora já por fora das sombras, longe de sentir o escuro nos olhos, nos lábios, no respirar. Sendo já parte de um Ontem, ainda que cercano, é um Ontem que passou. Melhora quando penso no pior, quando sangrava sem mais outros "quandos" em que pensar.

Lembro-me de pensar sim, e tudo me parecia tão certo no momento, tão lívido e clarividente. O sangue teimando em não estancar, sentindo gotejar-me por entre as fissuras estendidas de forma aleatória pelo corpo. Tão vulgar que parecia ser tudo comparado ao cheiro intenso da lama no meu rosto.

E pensava eu em coisas tão comuns e perdidas, e para mim ali no silêncio dos mortos, era tudo o que me agarrava à vida. Ali, enquanto me esvaía num nada intemporal, porque para mim já nem tempo existia, e nada me parecia mais importante que um café sem açúcar e um cigarro.

Ali, enquanto sentia um espesso volume contorcido a dilacerar-me algures, desejei num tremendo querer por um pouco de Sol de Inverno. Naquela palidez de cor quase prata, em que 17º centígrados conseguem acalentar sorrisos por entre o frio cortante. Ali estava eu naqueles preparos, atirado para a berma de uma forma não literal, preocupava-me com a mensalidade da internet por pagar, por não ter enviado os dois batalhões de soldados atacar a aldeia inimiga, por ter comprado um volume de tabaco em Espanha e agora estar aqui como uma pedra na lama.

O gosto ferroso e exótico do sangue, coagulando-me a lembrança do próprio nome, laços e pessoas. Ali, preso a uma sucata de nada, limitava-me à desconcertante situação de ter um buraco na peúga direita ao nível do tornozelo. Comprei-a já assim e não voltei para reclamar. Ali, jurei nunca mais lá voltar.

E gotejava, molhava-me com a vida que latejava de dentro para fora, numa eufórica corrente por fora de mim. Ali, na febre que me dava por me sentir preso, cuspindo para não me engasgar, finalmente soube na pele qual era a sensação de me sentir do avesso. As tripas na boca, o fel no coração, os olhos no chão, os pés nem sabia deles, já não sabia de nada. Ali, na intermitência de cerrar e abrir os olhos pela fadiga, nem sabia se o medo algum dia tivesse passado por mim ou até mesmo todo o seu significado e tudo o que se encerra em si. Calcinava-me sim, não ter hora para voltar a encostar a cabeça na minha almofada, de passar horas a fio a esquecer-me do corpo.

Tanta coisa importante me passou, e insatisfeito por tudo, chateava-me sentir as pernas presas e húmidas dos sulcos abertos na carne. Parecia-me tudo uma tremenda chatice, quando lá fora era tudo tão mais agradável. Se ao menos soubesse onde estavam os meus cigarros, mesmo de cabeça para baixo inalaria toda aquela pequena poção de veneno.

De facto, sentia-me morrer aos poucos, como quem desce por uma escadaria rolante sem dar por conta que tudo acaba lá em baixo. A verdade é que morria um pouco mais depressa que o costume. Ali, mesmo definhando entre convulsões e tremores, praguejava contra os que diziam ter visto a luz, o túnel, a leveza de deixar a carcaça, toda a vida correr-lhes pelos olhos moribundos. Ali, de cabeça para baixo, fracturado em várias realidades disseminadas pelo corpo, sentindo o único decilitro de sangue a querer sair-me por qualquer lado para se aliar à lama, aquecia-me a única palavra à altura de tamanha conspiração; merda. Uma verdadeira merda. Merda para o túnel e para a merda da leveza. Merda para os "flahsbacks". A única coisa que me passava pelos olhos e semelhante ao flash era um pisca pendurado pelos fios, iluminando aquela desgraça. Merda que nem fumar podia.

Ali foi assim, a revolta para o nada em que me sentia, tão pouco fui ali que até uma brisa seria capaz de me apagar. Tão insuficiente até para olhar em redor, tão pouquinho para penar-me em outros lamentos. Concentrava-me na fixação pelo cigarrinho, sendo a última coisa que me faltava.

Agora e aqui, por enquanto ainda me dói um pouco quando fumo. Vou lá devagar, com o tempo que acertou contas comigo. Quando o resto são mazelas e marcas de algo que agora se trata como um "quase" nada, um "quando" marcado na pele e na alma, por um pequeno desvio que se fez por um apeadeiro mais assombrado. Ali, fui apenas um necessitado de nicotina.

14 comentários:

Bé David disse...

Depois de um trânsito que nos adormece e e nos torna mortos em vida, eis que a morte surge numa qualquer berma de estrada...

Excelente "morrer"... em palavras viciosas e bebíveis ate´á última gota de sangue...

"De facto, sentia-me morrer aos poucos, como quem desce por uma escadaria rolante sem dar por conta que tudo acaba lá em baixo. A verdade é que morria um pouco mais depressa que o costume."

E mais depressa se morre....
assim... em deleite! :)

Amo-te! Até de cabeça pra baixo...:)***

blueminerva disse...

Eu adoro a minha nicotina.

Há blogs que me fazem fumar compulsivamente. Este é um deles.


beijos

Post-It disse...

E assim acordaste da "sonambulidade" dos dias...

Sorrisos em Alta disse...

Uma chatice agora ter que se activar as máquinas de tabaco para o obter.

Num acidente, um gajo sabe lá se consegue chegar ao botão...

;o)

Excelente texto!

Abraço

Manefta disse...

Este texto lê-se bem de baixo para cima, ora experimenta lá e faz tanto ou mais sentido que de cima para baixo.
N'o lugar do morto, bom filme de se ver, vá lá não te entrou nenhuma mulher misteriosa, carro adentro no post anterior.
Às vezes andamos assim insatisfeitos com a porra do trabalho e parece que andamos a morrer por dentro, cada minuto que ali ficamos é um pouco de nós que morre.
Em todo caso também jogo Age of Empires e WarCraft e é uma chatice quando se anda com o vicio, ou vicios. Já Eça de Queiros dizia...estava ele ali sem mais à sua volta fumando um pensativo cigarro" e de facto é dificil deixar o vicio, para além da lista interminável de quimicos e aditivos que poe nos ditos, são eles que nos levam por minutos que seja para longe dali.
Gostei como sempre, já é um hábito e espero que não mudes :)

Beijo
Manefta

Sorrisos em Alta disse...

A próxima vez que fores para dizer "estou mortinho por fumar", vais pensar 2 vezes antes de o fazer...
;o)

b disse...

Posso dar uma passa...?

mariazinha disse...

Fabuloso, mesmo no lugar do (quase) morto. ainda bem que a vida não se escorreu toda para fora de ti!


Beijo*

Sorrisos em Alta disse...

Amigo.... amigo.... AMIGO!!!! O morto está quase com um mês! Vê lá se mudas o cadáver do post, que este está a ficar com um cheiro que não se aguenta!!!
;o))

Abraço

Maria disse...

Ora bem.... Visto já estarmos a dia 13 de Outubro... 1 mês passou desde este post... Comé? Hein?

Sorrisos em Alta disse...

Afinal, deixa-o estar!
O teu morto sempre é mais conversador que a Manuela Ferreira Leite!

Abraço

.*.magia.*. disse...

Ora, ora, ora...

O que é que se escreve aqui???
O quê? Népias?

Então Alampadado?
Escreve aí mais qualquer coisinha assim mais ou menos a dar para o muito bom...

Estou de olho no blog!

.*.magia.*. disse...

Ó faxavor, só mais uma coisinha:

Gosto do sonoro :)

Nogs disse...

Onde anda este menino que não tem postado?


Beijo