...

...

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

Nada!



Páginas e páginas a fio
Sem ter rumo nem oriente
Incide a fraude em que me sinto
Na opulência de me sentir em nada
Que nada foi para além de não ser

Em nada
Por nada…
Nada!

Nada estou, nada fico
Que nada rendido, mas então…
Tão perto do fim, tão longe de começar
Sonho eu em final de noite
Logo hoje que não me sinto

De nada
Sem nada…
Nada!

É como filme quando termina a fita
Em branco nada, de tudo possível
E agora que nem querer nada desejo
Abraço o mundo e em nada fico
Porque amanhã, nada será como hoje

Nada
Nada…
Nada!




imagem: Marco Neves

7 comentários:

Anónimo disse...

o nada nadifica*

li isto algures no TRC e agora lembrei-me.

talvez seja isso mesmo. essa a verdadeira função do nada =)

*não me recordo o autor da frase huf!

A.*

.*.Magia.*. disse...

Que sonoro!!!! :)

Alampadado, fizeste-me lembrar isto:

Calem-se todas as cores quentes!!!!
Deixem-me arrefecer!
Preciso apagar-me...
Extinguir-me!
Quero ser azul que se perde no céu
Que se funde no mar...

...quero ser silêncio em tons alaranjados
...quero tudo pintado de nada!

...quase nada!
Quase tudo

QUERO!

(Foi escrito por mim, ontem...)


Saudações magicológicamante cheias de nada

Boganga disse...

O vazio do nada...
entre o ponto de início
e o ponto de conclusão.
Enquanto durar, fica suspensa
a destilação decisiva do eu...

Morgaine disse...

E depois de amanhã, nada será como amanhã...

A. disse...

...ou tudo.sempre.






aqui.

refazendo o desfeito.

A estranha disse...

E ainda bem que amanhã, nada será como hoje... Não tenho imaginação para imaginar que assim não seja!

*

Dak@ngel disse...

o nada são os limites da existencia: vimos do nada e para o nada vamos!!!mas enkt vivemos també passamos muitas vezes plo nada e noutras queremos sê-lo
dark kiss