...

...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

noite

É um ódio. Daqueles pecados que se desejam mais, e mais, muito mais que a própria compreensão. E nada é, se fosse o acaso um punhal nas suas mãos. É um ódio, vicioso, dissimulado entre quem sou e quem quem digo ser.

Guarda-se nas veias. Espinha-se na alma. Consentindo a hora tardia a um profundo respirar. Não te percas, não te faças mais à berma, que de linhas sei eu mesmo sem as ver. Tingidas as mãos, essas malditas, cabe a uma alegoria a que se dá o nome de destino, velar pela noite que demora, cerrar os dentes e esperar pelo dilatar das pupilas.

Dissuade. Arredia, essa lesta mão que levas ao peito, passando para cá e para lá, o gume que faz de ti única. De ti, que em mim nada tenho senão esperar-te mais que o nada. E por tudo o que possa dizer, quedo-me pela invenção de um dia de cada vez.

E guarda-se na teia, na voz rouca aguçada, na fome de ir. E esperas-me na ânsia de vaguear, convertendo a luz em sombra, porque sou-o neste todo que se dissipa, até ti.




7 comentários:

retiro o que disse... disse...

Tu sempre foste muito mais do que aparentas...

Luna Tic disse...

para mim o ódio é só um estado de espírito. não há nada como escrever sobre ele para o dissipar.

=)

Escrita Online disse...

Para quem gosta e QUER escrever:

http://escrita-online.blogspot.com

Sílvia disse...

Amigo secreto o teu quadripostal chegou :) E eu a pensar que já se tinham esquecido de mim :D

Gostei muito, obrigada e Feliz Natal!

Sílvia

Táxi Pluvioso disse...

A uma noite sucede-se outra noite.

BOM NATAL

Táxi Pluvioso disse...

... e na madrugada de amanhã será tudo mais caro (é melhor beber o champanhe antes da meia-noite).

BOM ANO

Danii disse...

Adoro! há imenso tempo que não passava aqui :)