...

...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

piet|r|á

Seria mais fácil colocar-te uma pedra por cima, revolver a terra como um cão e aguardar pelas primeiras chuvas. Não. A virtude seria saber-se a espera mais satisfatória que a acção. Em que ficamos? No zero. A lisura do travo metálico que o tempo me deixa, o chumbo na saliva e saturnismo nas veias.

Seria mais fácil arremessar-te um titã de granito. Um gesto monolítico, qualquer coisa que me fizesse perdurar no relógio, para não mais me esquecer do peso. Pesas-me por isso, não pelo pesar. Torna-se invariável sem me parecer condicionante do gosto de sentir derrapar o metódico para o medíocre. Prevendo a estanquicidade de pensar, o loquaz sujeito atira foguetes para que afastes os olhos dos meus. Quero acertar-te em cheio.

Seria mais fácil aferir a balança, ás caixinhas de memórias chamá-las de canopos. Não. Pior que hélio, envenena-me a maldade, sobe-me a alma por este corpo, quando a minha vontade era ser trépano do teu juízo.

Seria mais fácil calar o frondescente testemunho de que os ossos contam histórias, não deixam legados. No fundo, e bem por cima da tua cabeça, era saber montar uma trama, sem enredo, atirar-te um seixo bem redondo e pesado. Assim, bem certeiro na tua raíz, uma bolegada bem assente. Não. Contrariam-me as vontades e embirro. De tão retorcido, falham-me as mãos. Fico com vontade de politizar o leito pedregoso e, sem parcimónia aparente, lapidar-te até que aprendesses a conjugar-me no Pretérito Impossível.

De novo; seria bem mais fácil dançar à chuva de bigornas e pisar todos os teus canteiros. O que dissemos? Arregalam-se os olhos, exclamativa e sincera, a dúvida toma-te o corpo só para me encolheres os ombros, uma careta e... e pronto. Seria bem mais fácil dizer que o pecado é algo virgem por esta casa, que o vício é um pai ausente, a saudade uma mãe desajeitada, e tu, minha cadela de loiça, um ainda bloco de cimento nos pés.

Seria mais fácil mentir-te, continuar a beijar as penas, os lamentos e, infelizes aqueles, que aprendem a chorar como tu. Calhau que fosse, ou um breve torrão ressequido do Verão, era atirar com toda a vontade que ainda te tenho. E então? Nada. Parece ser mais fácil o caminho de um doce nada, sem a seiva agreste na pele, nos dias, das marés, com minguantes e crescentes, sem paredes de papel e postais ilustrados de um tempo que fomos.

Bem que me sabia acertar-te em cheio, lançar-te à mão cheia, para que o teu coração aprendesse a falar.

13 comentários:

Sofia disse...

Seria mais fácil não amar?

Vera, a Loira disse...

Estes teus textos podem ter interpretações várias e fantásticas. Eu gostava de saber qual a interpretação que tu lhe dás.

Gostei, aliás, gosto.

A Merceeira disse...

Por vezes atiram-se pedras... para que não se pronunciem as palavras definitivas.
E no entanto já foram ditas.


Atiro-te um beijo :)*

Estranha pessoa esta disse...

Seja feita a vossa vontade. Amén.

Autora de Sonhos disse...

Delicioso o texto, o pensamento, a interpretação que podemos tirar dele.
Beijos

Sofia disse...

Olá!
Com ou sem Pieta, com ou sem pietá, tu escreves de uma forma que me arrepias, pah!
Agora a sério (mas mantendo o que disse acima): se por vezes é mais fácil acertar ao lado, prefiro muitas vezes demorar mais e acertar em cheio. Para o bem e para o mal.
Beijinhos,Sofia

A Minha Essência disse...

Seria tão mais fácil não sofrer... Seria tão mais fácil ter à mão de semear, mas será que no final o gosto seria o mesmo?...

Beijo

Táxi Pluvioso disse...

Seria mais fácil, se hoje não fosse quinta-feira, para poder, no mar poético comentar, e não tivesse que sair para Sísifo ajudar a avançar Portugal, de qualquer modo bom fim-de-semana.

MissBlueBuble disse...

Todas as dores fossem como a física, mas em modo agudo, já que a crónica fica para sempre.
A dor mental é mais crónica do que aguda, mas é uma lição de vida.

Bé David disse...

http://www.youtube.com/watch?v=sHhVydgvuAc&feature=player_embedded

:)*

Autora de Sonhos disse...

Selo lá no meu cantinho
Beijinho

farfalla disse...

nunca será coração...

Baci*

mim likes Fever Ray ;)

M disse...

Mais do que a questão do que te sabia bem, apraz-me muitissimo ver que a tua escrita enriqueceu mais do que nunca e esse modo peculiar de fazer soar as sílabas ao sabor da imaginação é que me espanta profundamente pois julgo e sei com toda a certeza aquilo que nunca duvidei: o verbo puro que te corre nas veias é este. Fabuloso, sempre. E sempre inesquecível escrita. Bravo M.

Um beijo.

E como é que hei de assinar... do era uma vez uma cidadela, M ou Morgaine como melhor te recordares.