...

...

quinta-feira, 10 de abril de 2008

|G|atices

Mesmo que o silêncio maltratasse a noite, eu não seria testemunha por muito tempo. Talvez cúmplice, daqueles autores morais que aparecem nos filmes, escondidos nas manigâncias da consciência adulterada. Talvez seja um termo demasiado forte, não sei, a minha intenção é apenas manipular o necessário para que nunca me falte nada. Nada é falar de forma evasiva, eu sei… eu sei. Por mais que aqui ande às voltas, a verdade é que acabo sempre por vir parar ao mesmo local. É pena, sinto-me de certo modo preso a isso, a esta vida de sofismas e axiomáticas aspirações a reinar o mundo num tom púrpura e totalitário.

Aqui me encontro na madrugada, fumando o resto de um cigarro em plena marquise. Cordas pejadas de roupas, vidraças que choram a húmida noite. Varandas que apenas o foram nos dois primeiros anos de existência, agora condenadas ao alumínio barato e ao vidro simples. Travessas com roldanas que guincham ao fim do ano, as molas compradas ao quilo e corda de uma material sintético, mais certo que seja proveniente de um pais do longistão.

Esta prisão que já nem me importa assim tanto. Sou apenas eu aqui, num sofá só para mim, num tapete felpudo em que o sol da tarde inunda toda a minha hora de sesta. Sim, sou demasiado desligado da vida lá fora. Pouco me importa quem morra, quem se alheie até mais que eu. Sou eu e apenas eu, apenas esse ponto em comum comigo mesmo, eu.

Para ser franco, nem se trata de qualquer género de petulância egocêntrica, apesar da minha franqueza ser confundida normalmente, claro está, por mentes horríveis e pequenas. As mais sinceras desculpas a qualquer susceptibilidade ferida, ou então para ser mais explícito, a toda a alma incrédula que se deixa guiar pelos caminhos da inveja. Que o destino não seja demasiado severo com eles, coitadinhos.

Bom, sem que me perca por esses preâmbulos casuais e com tão pouco interesse que são os outros, algo mais sinistro paira neste ambiente já de si com um karma suspeito. Pasmo-me sim por tamanha falta de gosto por aquele novo fulano que vem cá a casa, pelo menos umas quatro vezes por semana tenho de aturar aquele ar ameaçador de quem me preferia ver estendido. Que seja, mas que a minha pele fosse parar a uma estola bem requintada e exclusiva.

A mim, claro que nada me falta, vivemos bem assim. A cooperação é benéfica para ambos. O corporativismo torna-se essencial à espécie. Coabitar, servir e ser servido. Ela até é uma querida, tem lá no seu fundo qualquer coisinha de boa. Dou-lhe o desconto destes perdedores natos que traz cá para casa, lutadores de utopias que nem eles sabem explicar. Ela fascina-se com aqueles marasmos de verborreicos serões de tertúlias, da mesma forma que eu fico possesso com uma boa tira de tecido para afiar as unhas.

As luzes tremeluzentes do exterior, a janela que embacia mais rápido que o pensamento de a pensar assim. Solto um esgar sem querer, sem saber realmente que a minha vida é um festim realizado à porta fechada. A euforia tem um efeito colateral, o frustrante vazio de quando se recupera do êxtase. Acho que ela me influencia nos piores vícios, um desastre a sós.

Aqui continuo com o cigarro quase em beata fumada por um desgraçadinho da rua, desde esta janela de apartamento de classe média, algures nos arredores da verdadeira cidade. É desconfortante ver-me aqui, numa esfera de vidro, quando o mínimo deveria ser diamante. Consola-me o serviço gourmet, mas toda a parafernália de um suposto luxo distribuído em doses desregradas por toda a casa deixam-me confuso. Desde o monstruoso ecrã de plasma adquirido num espaço comercial de massa, à batedeira que nunca funcionou mas que tem tanta função. No fundo enoja-me toda esta gritante necessidade de se mostrar algo de valoroso quando se apenas é no dispensado pelo plafond do Visa.

Há pequenos caprichos capazes de me encher o gosto por alguns tempos, a verdade é que o requinte não nasce e muito menos vive em qualquer casa. Por mais que se encham as paredes de quinquilharia, mesmo que cara, o facto é que o noveau riche deveria ser uma espécie a abater.

Solteira, mal amada, emprego promissor e livre de compromissos. Nova onda, nova era, nova em tudo o que se julga ser novo. Novidade ou sublime na escolha de novas tendências, adereços, preços, cremes e mais algumas coisas que nem imagino para que sirvam. Não frita, não congela, come grelhados mas não grelha. Compulsiva, fumadora de varanda, melhor, de marquise como eu. Vegetariana que suspira todas as noites por um salpicão que a rasgasse toda. Odeio quando me dão estes acessos de popularucho agudo. É uma pobre infeliz, já disse, mal amada mas acho conveniente dizê-lo de novo. Sim, frígida, rígida, mínima, carente. Vivemos sob o mesmo tecto, sendo a única coisa que me liga a ela é todo o conforto, apesar das notórias vicissitudes de viver num bloco de betão ao melhor estilo do lobbie camarário e ver downtown a meia dúzia de léguas.

Ela adora-me, desconfio que me ame. Sei que é apenas um escape para toda a sua frustração, estamos quites então. Talvez exista mesmo Deus aqui pela terra, ou na pior das hipóteses, algures numa repartição celestial, com uma porta em talha trabalhada por S. José e uma inscrição bem gira em letras very vintage. Caramba, tenho de deixar de fumar estas pontas que ela deixa por aqui, se bem que sempre tive queda para as piadinhas com espírito. Pelo menos é essa impressão que tenho de mim quando me olho ao espelho. Sim, vá lá, apesar de nada mais me interessar que fique para além da porta do elevador, até sou um exemplo felídeo de fazer suspirar qualquer solteirona ou maricas.

Céus, finalmente aquele idiota saiu aqui de casa, ainda por cima tem um ar estranho, suspeito que seja de esquerda. Aposto que é um agiota sentimental, só pode. Sempre duvidei destes intelectuais de ar meio sujo e descuidado. Não sou apologista do fraque alugado, mas este total desgarro pela imagem interfere com os meus bigodes. Não é propriamente higiénico o uso de uma barba daquelas, e se ela gemeu, mesmo que mais um falso orgasmo, não sei.. continuo a não concordar com as camisas de bombazina e cabelo à azeiteiro.

Sim, eu escrevi bem; falso orgasmo. Admito que não tenho muita experiência com o sexo oposto, já que desde o meu primeiro mês de vida que me foi retirado todo o mojo e appeal que poderia ter. Desde então que tenho dois caroços mirrados revestidos de um pêlo quase que aveludado. Por isso também não me comovo quando aquele comuna que aspira a ser um Trotsky de esquina bate com a porta, satisfeito pela sua descarga e ela se enfrasca em Cardhu e Karelias de mentol. O meu sorriso é desapercebido… ronrono apenas e ela aperta-me como se eu fosse a tábua de salvação da sua mirabolante vida sentimental.

Depois de metade garrafa despejada liga aquela aparelhagem cheia de luzinhas azuis e vermelhas, aquela Las Vegas da cómoda direita da sala. Dança na penumbra da sala, ao som de “I shot the Sheriff” daquele drogadinho com um cabelo horroroso. Deveria alarmar-me um pouco pela sua insanidade mas o Ryphnol queima-lhe o resto do desgosto e acaba rendida no sofá. Eu, sozinho na estupidez de me fazer valer pelo único guizo que funciona em mim ser o da coleira, embebedo-me e morro junto à triste visão de Las Vegas em modo de Lcd luminescente.

As manhãs de cinco dias são sempre à pressa, mas é impressionante vê-la. Numa única e singular palavra, impecável. Segura, atraente, feminina, garrida… adoro quando usa aquela cor de baton… enfim, enche-me o pratinho com mais uma refeição gourmet e desaparece atrás da porta. Aquela mulher renasce em apenas três horas de sono.

Nas manhãs de fim-de-semana, acordamos juntos, sonolentos, desgrenhados, sem nomes, sem pressas, sem rostos. É tão bom quando chove e ficamos a olhar para a cinza que pinta toda a urbe que se cola com ganância à metrópole. A primeira coisa que fazemos é fumar um cigarro enquanto se espera pelo café, e sei que no conjunto, pensamos que a vida é curta demais para aqui ficarmos.

Eu não tenho nove vidas, e muita sorte que dure nove anos por esta marquise do sétimo esquerdo com um apartado extenso. Ela já não tem propriamente vinte anos e eu nem posso responder-lhe à altura de um homem. Ambos sabemos que no fim das histórias deveria haver sempre um sorriso de esperança, mas acabou-se o tabaco e o meu estado benevolente cessou com o telefonema daquele filósofo de subúrbio. Um dia que me dê para a pura e maquiavélica maldade, urino naquele ofensivo casaco de cabedal marroquino. Napa nem num banco reles de autocarro de província.

Desligou-lhe o telefone na cara. Sorriu. É bom sinal, será o início de um bom Domingo de vida.

19 comentários:

Bé David disse...

Genial
.
Mordaz em excelentes doses
.
Felídio na visão realista
.
Sonolento, mas atento
.
Este gato que fuma beatas na marquise
apaixona na forma desapaixonada...
.
simplesmente
.
.
.
Lindo!!!

|a|miau|-te| ;)

Sorrisos em Alta disse...

Corro o risco de ser repetitivo, mas faltam-se sempre palavras para te comentar.

Não, não avacalhes já, que significa precisamente o oposto de o texto ser "oco"!
;o)

Um abraço

Peachy disse...

Ah como te conheço amigo... por isso entendi a mensagem.

A vida podia ser tão simples.

beijokas M.

Aran disse...

Genial!

E que mistura tão bem conseguida!!!

|G|atices... mesmo! :D

Um beijinho grande

CC disse...

Bastante interessante.

Grande abraço.

Pérola disse...

A pior prisão é a que construimos nas nossas fronteiras.

Bj.

M. disse...

jAZUSSESS. isto dá para uma semana. Volto para ler os próximos 3 páragrafos e opinar.não saias daí..

blueminerva disse...

E quando uma pessoa pensa que já leu o que de melhor se faz neste espaço, surge-nos (mais) um texto que nos derruba ao primeiro parágrafo.
Fantástico!
Um abraço

b disse...

A vida só é simples para quem o é. Complexo, mas com muito nexo.

Lembra-te que o que vem, também vai.
Boa semana,
b

farfalla disse...

muito bom ;)

_baci_

Anónimo disse...

quem anda pelos telhados da vizinhança arrisca-se sempre a ter surpresas... agradáveis!

um abraço do __________

M. disse...

Li-te. Ali algures entendi que é gato na primeira pessoa! Refilão mas que sabe o quer. Gostei muito e não dá para dizer mais.

Post-It disse...

Muito, muito bom texto, Lampada!
Clarividente e irónico.
Fantástico.

Maria Ostra disse...

Dos melhores textos que tenho lido ultimamente em blogues, parabéns!
Já pensaste editar o que escreves?

RC disse...

"Porque amanhã é domingo no Mundo e tudo bate perto nem que por um segundo"?

Xi.

H4rdDrunk3r disse...

Nunca deixas de surpreender... magnífico mesmo!*

E esquizofrénico qb, como eu gosto!

mariazinha disse...

le chat qui fume... le chat philosophe qui fume... le chat philosophe qui fume est magnifique!

;) miau

Anabela disse...

Rinhauuuuu;)


Tens aqui textos magníficos.

quem me dera conseguir bebê-los todos.


Beijos enormes

ContorNUS disse...

excelenteeee

Tinha saudades de aqui vir
E agora saio depois do crime...de as matar ;) até breve!