...

...

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Sou

Gostaria neste momento de largar toda a pele que se me ajusta ao verdadeiro sentido. Gostaria imenso de o conseguir. Aqui estou, aqui sou.

Na terra que me pariu, ao coração embalado na planície, são os meus olhos o amor da terra, entre influência moçárabe e resquícios celtas. São vozes, castas raízes de únicos valores. Orgulho-me de o ser, de me sentir assim.

Marco, eu sou.

Gostaria mais dizer, sem apresentar o tanto que me falta para alcançar o sorriso. As pessoas são tolas, e tolo que sou em acreditar nelas.

Por vezes, enquanto fumo de uma forma apaixonada e solitária, eu e o meu cigarro somos um mútuo vício. Nada mais me poderia faltar naqueles cinco minutos. Por vezes sim, até penso.

Seria injusto desassociar toda a minha pessoa de quem realmente sou. Eu, o verbo. Fumo porque gosto, bebo por gostar ainda mais. Inalo, consumo tráficos mercantis. Mato, morro, assassino devoluto. Escorro, queimo, amo a pele que roça na minha. Influencio a espera, deturpo palavras, intensifico ódios. Esqueço-me e volto a respirar.

Recomeço sempre que acabo, de preferência mal, ao contrário da forma como realmente deveria ser, assumo-me frente a frente. Vicio-me nos habituais planos, sem que me pareça demasiado estranho esta relação de amor e ódio entre a minha pessoa.

A vaidade é estranha, mas entre paredes, bem espessas, nada me resulta de estranho. Agrada-me. Quero as minhas vontades feitas, prontamente consumadas. Luto contra a minha paciência e tolerância. Desejo-me pior, mais azedo e egoísta. Quero a meus pés todos os beijos prometidos. Desde os meus perfumes às minhas taras, dos traumas aos delitos do prazer, quero-me mais, muito mais. Mesmo nesta arrogância que me enjoa, a antítese de um tempo adverso de outro. Desejo sentir-me sempre assim, vivo.

Necessito de mais um chuto, do cavalo que me sangre até ao tutano. Para isso vive-se entre um dia e outro. Necessito de necessitar, sempre na ânsia de chegar a casa. Por fim, sentir-me na impossibilidade de abandonar esta cabeça e descansar.

Sou eu pessoa de Janeiro, no silêncio matinal do gelo ao acordar. Com os pés sempre fora da cama, livres, terrenos. Solto o cabelo e guardo memórias que desejo não partilhar. Nunca. O egoísmo exagerado porque nunca explicarei a razão de adorar o som riscado de um disco de vinil. Nunca ninguém saberá ao que me sabe o os estofos dos bancos de napa de um citroen. Amargo apenas, é bom.

Convenço-me da autenticidade para que não morra no desgosto de imaginar alguém igual a mim.

Não quero!

Gosto de me arrastar pelos meandros e clareiras deste mundo sem fundo. Entre a Luz e Trevas, agrada-me a constante luta pelo equilíbrio... e deixar-me levar. Serei sempre o único e fiel devoto, missionário de mim mesmo, morrendo a cada investida do que ainda preservo selvagem. Fiel mas excomungado, pelo menos duas vezes por dia, por tanto estar em falta, para comigo e os outros.

O tempo clama por mais calma e temperamento, sem que seja a brandura a melhor das qualidades. Carrego marcas, cicatrizes de juventude, as melhores que possuo. Transporto memórias e colo momentos ao presente. Era ruim, agora sou pior. Reconheço o meu rosto longínquo, revejo-me no sorriso de Inverno.

Acalenta o sonho, a obra que se cria aos poucos no tom pálido da próxima estação, o perfume impregnado na minha língua. Amargo, forte, mortal. Condena-se à partida, a estreita passagem do meu mundo para o externo. É difícil, sou-o também.

Gostaria de ser Outono metade do tempo, preservar-me da mesma forma, com igual beleza. Gostaria imenso de continuar a sentir-me assim, como o Outono para a vida. Outra metade seria Inverno, porque é a privação, a intempérie, a luta, as longas noites. Gostaria, gostaria mesmo de sorrir da mesma forma que numa manhã de pleno Janeiro.

Marco continuarei a ser, estrada fora… irei gostar sim.

18 comentários:

Maria disse...

Um beijo apressado... fugindo entre os dedos... o cumprimento habitual, e o sorriso eterno!

Boganga disse...

És!Porque podes!Porque queres!

:)*

Tainha disse...

adoro as tuas palavras, parecem de carne e osso.
um beijo pelo ar.

Ás de Copas disse...

Um Marco bem-resolvido no melhor e no pior.
Assino por baixo, mudando apenas o nome...
Beijo

Maria Ostra disse...

Isso, é assim: tira a carne, chupa os ossos.
Escreves muito bem, parabéns!
Um tanto ou quanto "épico", mas muito bem!!... :))

Simone disse...

Marco de criatividade e talento...ÉS!
Beijinho e um bom fim de semana.

mariazinha disse...

arrepio
dos
bons.

bela a escrita. o conteúdo. a música.

tudo.

marcAS.

beijo*

M. disse...

Oh! Sorriso :)

Nem precisas sequer de ter a mínima dúvida sobre a autenticidade. Nínguém se iguala a ti. És o teu único marco.

B. disse...

AH BOLAS!!!!!!!! (pra não dizer outra palavra)

Que sentimento, que bravura, que violencia, que agressividade, que sinceridade... ao som desta musica vejo-te como um "Gladiador"... um samurai, um guerreiro... forte, digno, e valente!

Adorei marco, simplesmente divinal!
Alias revi-me em algumas situações,neste texto... esta luta constante que existe em mim.

Estou farta de textos moribundos, de gente que se lamenta, que da piedade dos outros... A bravura é algo que me fascina!

parabens meu amigo... não páras de me surpreender! A musica está divinal!!!!!

RedLightSpecial disse...

És... sem sombra de dúvida que és!
Quem dera a muitos ser assim!
Bj...

ContorNUS disse...

um pensamento tenaz...que a sonoridade acompanha...habitando no interior das palavras.

Como sempre...viajo nas tuas linhas

RC disse...

Vou para a terra que me pariu. ;)

Vertigo disse...

Uauuu...eu acho que já te disse que gostava de escrever assim,não já? ;)

Marco que continue,eu irei gostar também**

F. disse...

Marco,

estrada fora numa Triumph Rocket III ?
(Quero! Quero! Quero!) Isto sim é espírito natalício :D

haushinka disse...

Um enorme talento na fotografia e na arte de escrever. Parabéns!

Manefta disse...

E voilá...como te percebo.
Continuarás sim, e gostarás sim, sempre mais. Gostei imenso, tanto que nem tenho nada de jeito para dizer, não vá estragar. :) Estou de volta à blogoesfera, bateu a saudade.

Um beijo,

Manefta

Ás de Copas disse...

Vim beber outra vez das tuas linhas e embriagar-me do teu sentir...

Paulo Sempre disse...

Excelente!!!
Abrigado
FELIZ NATAL