...

...

quinta-feira, 19 de julho de 2007

|I|m|a|g|i|n|n|a|t|i|v|a|

Sentia-me completamente seccionado, como um ser assexuado após a castrante sensação do pensamento a escapulir-se pelo ralo abaixo. Arranja-se uma referência, um ponto de fuga, um objecto inanimado na parede. Até que a mente se perca um pouco de si, até que eu me deixe levar, até que os efeitos colaterais se façam notar.

Cheiro, oiço, aqueço, suo. Observo as pessoas, aproveitando esta pequena jaula de inúmeras cobaias, tentando encontrar um local onde não fosse tanta vez incomodado. A selva densa, de corpos inflados, perfumes misturados num ambiente quente e viciado. Tantas caras, tantos rostos, poucas almas.

Nem parecia ela, após alguns anos sem a ver. O meu coração congelou por minutos, senti-o e ficar empedernido. Temi o pior para a minha saúde, seria ali no meio de uma carneirada de alcoólicos e desesperados nocturnos que iria desfalecer, dando assim aquela imagem de fraco ou demasiado ébrio.

Mais motivos de boatos. Diriam que já estava demasiado bebido para que me aguentasse de pé ou que a droga me consumia por dentro. Não é uma mão cheia de gins tónicos e outros tantos “king size” que me derrubam. Ela sim, derruba.

Estava capaz de queimar todos os campos de trigo do meu império, passar fome no Inverno, nuclear que fosse. Que raio de maré te trouxe de novo até cá. Meu Deus, ela no meio dos suores alheios, do ar viciado, nas luzes agressivas… e o ambiente mais que perfeito.

Olhei-te, comi-te, desejei-te, ali. A cada movimento apelativo do teu quadril, sentia-me regredir na evolução humana. Primitivos pensamentos, insanos talvez, vernáculas palavras que te proferia enquanto te dirigias para mim.

O cabelo longo, escuras tranças, rédeas que na loucura tomaria por minhas. O meu peito saltava no ímpeto, da mesma forma como o seu peito se ajeitou ao meu. O seu abraço, o seu perfume, aquele orgasmo de saudade. As palavras circunstanciais volatilizam-se com a mesma rapidez com que acabo com mais um gin. Mais, necessito de mais, mais, mais!

Enquanto dança para mim, entre os olhares fulminantes. Gozo de a ver tão… tão…. nem sei. Olhos nos olhos, sem que nada interfira. Fixando um desejo terreno que se instala, penetro-a até onde antes o fazia. Quero-lhe mal, muito mal. Aquele mal que se quer quando tanto se deseja.

Entregamo-nos a uma deliberada provocação, a guerra instala-se em cada corpo. A impressão que se instala entre o peito e a pélvis. Dilata-me. Incha-lhe. Roçando o explícito, desaparecemos daquele palco. Entre a confusão e a pressa de sair, de fugir para bem mais longe que um canto escuro no beco, era sentir a sua mão agarrando a minha.

- Aqui está o combinado, não te apago da minha imaginação. Agradeço-te por me teres inspirado enquanto estive lá dentro. Estás de carro?

- Não, podes deixar-me na tua gaveta dos devaneios.

- Voltarei a contactar-te quando necessário.

- Eu sei querido… eu sei. Adoro quando o fazes desse modo…

- Sabes, quase que poderia afirmar que tenho o teu sabor na minha boca, o teu cheiro nos meus dedos.

- Imagino…

-Imaginas…?

19 comentários:

mariazinha disse...

"Quero-lhe mal, muito mal. Aquele mal que se quer quando tanto se deseja."

Soberbo!

Adorei este post.

De repente, eu estive lá... vi-vos... e invejei-a ;)(inveja boa)

beijo

A. disse...

...e a tua.voa de tão imensa que é.


cara.rosto.alma...como as
rosas do teu jardim.bravíssimas.









um poço de talentos,_______M.___



mil beijos.meus.__A.__________...

Som do Silêncio disse...

Fiquei fascinada!
E mais não digo....

Beijo Silencioso!

Carmencita disse...

Muito forte! (:

Vertigo disse...

Muito bom!caixinha de surpresas tens tu aqui,e eu encontrei(te) ;)*

beijinho

Vieira Calado disse...

Gostos destes textos poéticos.

Som do Silêncio disse...

Beijo Silencioso e boa semana!

Joana disse...

bravíssimo(estou a bater palmas):D
exelente texto!! que me deixa sem argumentos para refutar..perfeito!!
sem dúvida voltarei a este cantinho, onde as palavras adqirem uma magnitude prazerosa, boa de se ler..muito bom!!
deixo-te, com um beijinho doce!!

ContorNUS disse...

gostei de aqui pisar...e hoje levo um pouco de ti a morar no meu pedaçinho ;)

estarás agora à distância de um clique.

ahhh a música electriza as palavras ;)

leonor almeida disse...

telepopmusica, genial :) e agora vou ler o post =P

Jk disse...

blog mto interessante
gostei!
bjao
jk

Phoenix disse...

mt mt bom o texto..gostei mt :)
***
(desculpa a intrusao :))

****

Som do Silêncio disse...

Gostei!

Beijo Silencioso

*Marta* disse...

Marco! Caramba...
Gostei quase tanto como naquele dia em que tive a sensação de estar na plateia a olhar para um certo palco. O que significa que gostei imenso! Divinal! sobretudo a última parte, a do diálogo.Sempre gostei de falar sózinha..

0.02 disse...

parece que, mais uma vez, o Quim Barreiros chegou lá primeiros...

A estranha disse...

Adorei este diálogo da imaginação... E tudo o que se pode imaginar... Imaginas?

Beijo

Maria Ostra disse...

Tchim Tchim! À tua!

Klatuu o embuçado disse...

A imaginação fica excitada no Estio.

Melody disse...

Simplesmente soberbo!
E mais não digo...
Mil beijos
Ana